segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Lei º 7.330/09 que declara a Marujada como patrimônio cultural e artístico do Pará.


Uma das mais tradicionais festas populares do Pará agora é patrimônio cultural e artístico do Estado. A Lei nº 7.330/09, que declara o título, foi publicada, nesta quinta-feira (19), no Diário Oficial do Estado.

A legislação objetiva a a preservação, conservação e proteção das formas de expressão, objetos, documentos, fantasias, danças e músicas da Marujada. A Lei também prevê a inclusão da festa nos calendários histórico, cultural, artístico e turístico anual do Estado do Pará.

Realizada há 211 anos no município de Bragança, a festividade, em homenagem a São Benedito, atrai milhares de turistas e movimenta a cidade durante o ano inteiro. Os preparativos começam em junho, quando três imagens de São Benedito percorrem o município. Nos dias 25, 26 de dezembro (dia de São Benedito), e no dia 1° de janeiro acontecem o ponto alto dos festejos: a dança da Marujada.

Fonte:http://www.orm.com.br/plantao/noticia/default.asp?id_noticia=444012

domingo, 29 de novembro de 2009

sábado, 28 de novembro de 2009

Comissão do Senado aprova 14º salário para professores da rede pública

A Comissão de Educação Cultura e Esporte (CE) do Senado aprovou nesta terça-feira (10) o substitutivo ao projeto de lei que cria o 14º salário para profissionais da educação básica da rede pública.


O projeto, de autoria do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), com substitutivo do senador Marconi Perillo (PSDB-GO), segue agora para a Comissão de Assuntos Econômicos e em seguida tem votação terminativa na Comissão de Assuntos Sociais. Depois, o projeto ainda segue para votação na Câmara dos Deputados.


De acordo com o PLS 319/08, para ter direito ao 14º salário em dezembro, os professores terão que elevar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) da escola onde trabalham em pelo menos 50%. O benefício também será concedido se a escola alcançar Ideb igual ou maior que sete.

O projeto estabelece ainda que o pagamento do 14º salário deverá ocorrer até o final do semestre subseqüente ao da publicação dos resultados do Ideb. Se a instituição de ensino obtiver bons resultados, todos os professores receberão o benefício. A expectativa é de que as faltas injustificáveis dos docentes diminuam e que eles se dediquem mais ao ensino dos alunos.

Fonte: Portal G1

Resenhas acadêmicas

Segue abaixo um esquema bastante objetivo que pode ajudar na elaboração de uma resenha.


As resenhas apresentam algumas divisões que vale destacar. A mais conhecida delas é a resenha acadêmica, que apresenta moldes bastante rígidos, responsáveis pela padronização dos textos científicos. Ela, por sua vez, também se subdivide em resenha crítica, resenha descritiva e resenha temática.

Na resenha acadêmica crítica, os oito passos a seguir formam um guia ideal para uma produção completa:

  1. Identifique a obra: coloque os dados bibliográficos essenciais do livro ou artigo que você vai resenhar;
  2. Apresente da obra: situe o leitor descrevendo em poucas linhas todo o conteúdo do texto a ser resenhado;
  3. Descreva a estrutura: fale sobre a divisão em capítulos, em seções, sobre o foco narrativo ou até, de forma sutil, o número de páginas do texto completo;
  4. Descreva o conteúdo: Aqui sim, utilize de 3 a 5 parágrafos para resumir claramente o texto resenhado;
  5. Analise de forma crítica: Nessa parte, e apenas nessa parte, você vai dar sua opinião. Argumente baseando-se em teorias de outros autores, fazendo comparações ou até mesmo utilizando-se de explicações que foram dadas em aula. É difícil encontrarmos resenhas que utilizam mais de 3 parágrafos para isso, porém não há um limite estabelecido. Dê asas ao seu senso crítico.
  6. Recomende a obra: Você já leu, já resumiu e já deu sua opinião, agora é hora de analisar para quem o texto realmente é útil (se for útil para alguém). Utilize elementos sociais ou pedagógicos, baseie-se na idade, na escolaridade, na renda etc.
  7. Identifique o autor: Cuidado! Aqui você fala quem é o autor da obra que foi resenhada e não do autor da resenha (no caso, você). Fale brevemente da vida e de algumas outras obras do escritor ou pesquisador.
  8. Assine e identifique-se: Agora sim. No último parágrafo você escreve seu nome e fala algo como “Acadêmica do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia da Universidade Federal do Pará (UFPA)”.

Na resenha acadêmica descritiva, os passos são exatamente os mesmos, excluindo-se o passo de número 5. Como o próprio nome já diz, a resenha descritiva apenas descreve, não expõe a opinião o resenhista.

Finalmente, na resenha temática, você fala de vários textos que tenham um assunto (tema) em comum. Os passos são um pouco mais simples:

  1. Apresente o tema: Diga ao leitor qual é o assunto principal dos textos que serão tratados e o motivo por você ter escolhido esse assunto;
  2. Resuma os textos: Utilize um parágrafo para cada texto, diga logo no início quem é o autor e explique o que ele diz sobre aquele assunto;
  3. Conclua: Você acabou de explicar cada um dos textos, agora é sua vez de opinar e tentar chegar a uma conclusão sobre o tema tratado;
  4. Mostre as fontes: Coloque as referências Bibliográficas de cada um dos textos que você usou;
  5. Assine e identifique-se: Coloque seu nome e uma breve descrição do tipo “Acadêmica do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia da Universidade Federal do Pará (UFPA)”.

Águas de março...em novembro

É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o MatitaPereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira

É o vento ventando, é o fim da ladeira

É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira

Tendências Pedagógicas II

Esta postagem foi publicada em PAI D'ÉGOGIA às 16:09:53 de 28/11/2009

Tendências Pedagógicas

Nome da Tendência Pedagógica

Professor
x
aluno

Aprendizagem

Manifestações

Pedagogia
Liberal
Tradicional.

Autoridade do professor que exige atitude receptiva do aluno.

A aprendizagem é receptiva e mecânica, sem se considerar as características próprias de cada idade.

Nas escolas que adotam filosofias humanistas clássicas ou científicas.

Tendência
Liberal Renovadora Progressiva.

O professor é auxiliador no desenvolvimento livre da criança.

É baseada na motivação e na estimulação de problemas.

Montessori Decroly
Dewey
Piaget
Lauro de oliveira Lima

Tendência
Liberal Renovadora não-diretiva (Escola Nova)

Educação centralizada no aluno e o professor é quem garantirá um relacionamento de respeito.

Aprender é modificar as percepções da realidade.

Carl Rogers, "Sumermerhill" escola de A. Neill.

Tendência
Liberal
Tecnicista.

Relação objetiva onde o professor transmite informações e o aluno vai fixá-las.

Aprendizagem baseada no desempenho.

Leis 5.540/68
e
5.692/71.

Tendência Progressista Libertadora

A relação é de igual para igual, horizontalmente.

Resolução da situação problema.

Paulo Freire.

Tendência Progressista Libertária.

É não diretiva, o professor é orientador e os alunos livres.

Aprendiagem informal, via grupo.

C. Freinet
Miguel Gonzales
Arroyo.

Tendência Progressista "crítico social
dos conteúdos ou "histórico-crítica"

Papel do aluno como participador e do professor como mediador entre o saber e o aluno.

Baseadas nas estruturas cognitivas já estruturadas nos alunos.

Makarenko
B. Charlot
Suchodoski
Manacorda
G. Snyders
Demerval Saviani.

Extraído do Site do Professor (http://www.aol.com.br/professor/)

Tendências Pedagógicas I

Nome da Tendência Pedagógica

Papel da Escola

Conteúdos

Métodos

Pedagogia
Liberal
Tradicional.

Preparação intelectual e moral dos alunos para assumir seu papel na sociedade.

São conhecimento e valores sociais acumulados através dos tempos e repassados aos alunos como verdades absolutas.

Exposição e demonstração verbel da matéria e / ou por meios de modelos.

Tendência
Liberal Renovadora Progressiva.

A escola deve adequar as necessidades individuais ao meio social.

Os conteúdos são estabelecidos a partir das experiências vividas pelos alunos frente às situações problemas.

Por meio de experiências, pesquisas e método de solução de problemas.

Tendência
Liberal Renovadora não-diretiva (Escola Nova)

Formação de atitudes.

Baseia-se na busca dos conhecimentos pelos próprios alunos.

Método baseado na facilitação da aprendizagem.

Tendência
Liberal
Tecnicista.

É modeladora do comportamento humano através de técnicas específicas.

São informações ordenadas numa seqüência lógica e psicológica.

Procedimentos e técnicas para a transmissão e recepção de informações.

Tendência Progressista Libertadora

Não atua em escolas, porém visa levar professores e alunos a atingir um nível de consciência da realidade em que vivem na busca da transformação social.

Temas geradores.

Grupos de discussão.

Tendência Progressista Libertária.

Transformação da personalidade num sentido libertário e autogestionário.

As matérias são colocadas mas não exigidas.

Vivência grupal na forma de auto-gestão.

Tendência Progressista "crítico social
dos conteúdos ou "histórico-crítica"

Difusão dos conteúdos.

Conteúdos culturais universais que são incorporados pela humanidade frente à realidade social.

O método parte de uma relação direta da experiência do aluno confrontada com o saber sistematizado.

PeDaÇos InTeIroS - FilOh



Lançamento oficial do livro "PEDAÇOS INTEIROS".

Dia: 03/12/2009
Horário: 21:00 h
Local: Recinto da Expovale na *Tenda Cultural Registro/SP
Observação: Após o lançamento, o livro ficará exposto até o final da Exposição, ou seja até
dia 06/12, para apreciação e aquisição.
Compareçam, ficarei imensamente feliz c suas presenças!! Grande beijooOOOO!! :)))

Folozinha me responde pelo ORKUT:

Filóhzinh@...*-*:

Sim minha linda, colocarei
as fotos sim, pra partilhar
com vcs esse momento lindo
de minha vida, ok? Gd beijoO
e bom fds!! E viva São BeneditoO!!

O QUE É BOM TEM QUE SER DIVULGADO!

Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei. Allan Kardec

A quem interessa a educação????


Os governantes e lideres políticos não lutam por uma educação de qualidade para a população brasileira.

Nossas crianças, jovens e adultos sofrem pela falta de investimentos na educação. Percebe-se que a intenção é deixar pessoas sem instruções e sem conhecimento para que não reivindiquem por seus direitos.

Fica quase explícito que não há interesse, por parte dos governantes, em realizar melhorias e investimentos na área da educação. Falta de interesse comprovada pelo fato de serem repassados apenas uma micro parte da receita para a educação, que em outros países desenvolvidos é a prioridade.

Alunos da rede pública de ensino nem sempre têm educadores devidamente qualificados, faltam materiais de educação física, laboratórios , computadores e acomodações que possibilitem as aulas enquanto alunos da rede privada sofrem com as altas parcelas cobradas.

Atualmente temos pessoas, principalmente as mais jovens, sem instrução, que não sabem argumentar, discutir ideias, serem críticos e lutar por seus direitos. O que para eles é muito interessante, pois concluem rapidamente que a população não questionará suas atitudes absurdas, logo, estarão em situação confortável.

Não aprendemos a votar, não temos formação política e elegemos pessoas que nos representarão que faturam e superfaturam absurdos, praticam crimes e ficam sem punição alguma, enquanto a população vive miseravelmente.

Precisamos é de educação!
Queremos questionar, participar e ajudar a construir esse país.
Queremos ter orgulho de dizer que somos brasileiros.

Quem ensina a ler de graça é o jumento. É assim: a, e, i, o, u, u, ipsilone, ipsilone... Só não aprende a ler quem não quer.



"O jumento é nosso irmão, quer queira ou quer não. O jumento sempre foi o maior desenvolvimentista do Sertão. Ajudou o homem na lida diária, ajudou o homem, ajudou o Brasil a se desenvolver.
(...)
O pobrezinho tem apelido que não acaba mais: babau, gangão, bregueço, imagem do cão, mosqueiro, corneteiro, seresteiro, sineiro, reloje...
(...)
Tudo isso é apelido que o jumento tem: astronauta, professor, estudante, advogado das bestas.

É chamado estudante porque quando o estudante não sabe a lição da escola, o professor grita logo:

"Você não sabe porque você é um jumento".

E o estudante, pra se vingar, botou o apelido no jumento de professor, porque o professor ensina a ler de graça.

Pois sim. Quem ensina a ler de graça é o jumento.

É assim: a, e, i, o, u, u, ipsilone, ipsilone... Só não aprende a ler quem não quer.


É mais fácil colocar a culpa nos professores que admitir que o sistema educacional está na UTI.
Se os professores estão errando o governo também precisa assumir sua parcela de erro bem como a família.

Apologia ao Jumento - Luiz Gonzaga

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania, Depende de quando e como você me vê passar. Clarice Lispector

Palitos de dentes



Para manter os dentes limpos a humanidade, em sua cultura e civilizações, utilizou ou adaptou vários objetos, gravetos, espinhos e ossos são apenas alguns itens da extensa lista exótica de limpador de dentes. No Brasil, por volta do século XIX, utilizavam-se palitos de salgueiro.

Tudo começou quando Forster esteve no Brasil nas décadas de 1840 e 1850 para ajudar nos negócios de um tio que vendia móveis.

Forster, em Pernambuco, encantou-se com a beleza dos dentes das mulheres brasileiras que usavam palitos de salgueiro. De volta aos EUA, contratou um inventor de máquinas que possibilitasse a criação de um equipamento de produção de lascas de madeiras.

Em 1870, já produzia mais de 1 milhão de palitos de dentes por dia com qualidade e ótimos custos, mas ainda encontrava dificuldades para encontrar o seu público. A solução para propagar o seu invento e criar o hábito do uso do palito de dente, Charles Forster encontrou na idéia de contratar jovens para almoçar em restaurantes de Boston e no fim da refeição exigir um palitinho de dente.

Dias depois da encenação “publicitária”, se assim podemos dizer, Forster visitava os mesmos restaurantes munido de seus produtos que logo eram adquiridos para serem ofertados aos clientes do estabelecimento. A tática deu certo, as vendas aumentaram e já estava instituída a necessidade do “palitinho de dente”.

Charles Forster faleceu em 1901, milionário e deixando o filho Maurice como herdeiro do negócio que se tornou rentável em escala mundial. Em 1992, a empresa se fundiu com outro grupo empresarial e atualmente pertence à marca Jarden.

Novos projetos estão surgindo para os adeptos dos palitos de dentes.

As 10 invenções mais idiotas do seculo XX.


Uma delas é o Cat-Mew, um invento de 1963, é o primeiro dispositivo para afastar ratos verdadeiramente amigo dos animais. Contrariamente às outras armadilhas, não captura ou mata os pequenos roedores. Ao invés, produz de 5 em 5 segundos um som que imita o miar do gato com o fim de meter medo aos ratinhos. Funciona com duas pilhas que alimentam um pequeno motor. Made in Japan, é claro.